Manuel Graciano

Nascido em 1926, em Santana do Cariri, Ceará. Migrou com a família para Juazeiro do Norte, no mesmo estado, em 1929. Começou a trabalhar a madeira aos 10 anos, “aprendendo com a natureza” a fazer pilões, gamelas e brinquedos… Casado e com três filhos, passou a produzir presépios e ex-votos. Foi o xilógrafo e cordelista Abraão Batista quem o incentivou a passar da roça à escultura. Manuel Graciano compõe grupos com vários personagens que formam um verdadeiro conjunto escultórico. O artista tem um veio de humor que pode crescer até o mais flamejante expressionismo em muitos de seus trabalhos.

Manuel Graciano prepara suas tintas com anilina misturada a breu e álcool, antes de aplicá-las à imburana de cambão ou aroeira em que esculpe. Quando parte para composições talhadas em monobloco de madeira prefere as formas animais à figura, pintando-as com pinceladas diferenciadas, sempre com harmonia tonal apurada. Francisco Cardoso (1966) e o neto Francisco Edinaldo Dão continuidade ao seu trabalho. Participou da Redescobrimento (Fundação Bienal de São Paulo, 2000) e seu trabalho consta no acervo do Museu de Folclore Edilson Carneiro, Rio de Janeiro, e da Exposição de Arte Popular do Centro Cultural de São Francisco, João Pessoa, Paraíba. Sua trajetória está no “Pequeno Dicionário da Arte do Povo Brasileiro, Séc. XX”, de Lélia Coelho Frota. Faleceu em 2014.

Técnica: Escultura em madeira policromada

Dimensões: 90x74x23 cm

 


Técnica: Escultura em madeira policromada

Dimensões: 100x50x25 cm

 


Técnica: Escultura em madeira policromada

Dimensões: 103x60x30 cm

 


madeira maciça

policromada

106X26X26cm

 

madeira maciça

policromada

106X26X26cm

 

madeira maciça

policromada

106X26X26cm

madeira maciça

policromada

162X85X45cm

madeira maciça

policromada

162X85X45cm

Navegação