João Fahrion

João Fahrion (Porto Alegre, RS, 1898 – idem 1970). Pintor, ilustrador, gravador e professor. De 1918 a 1920, tem aulas com o escultor italiano Giuseppe Gaudenzi (1875-?) na Escola Técnica Parobé. Em 1920, realiza sua primeira exposição no andar de cima da loja Esteves Barbosa, na cidade natal. Seus desenhos chamam a atenção do governador da época, Borges de Medeiros (1863-1961), que lhe concede bolsa para estudar na Europa.

Entre 1920 e 1922, reside em Amsterdã, na Holanda, e em Berlim e Munique, na Alemanha, onde vivencia a efervescência cultural da República de Weimar. É nesse período que conhece a Bauhaus, o arquiteto alemão Walter Gropius (1883-1969), as peças iniciais do dramaturgo alemão Bertolt Brecht (1898-1956) e algumas das vanguardas europeias, como o expressionismo e o surrealismo. Cursa litografia e pintura na Academia de Belas Artes de Berlim, mas volta a Porto Alegre sem concluir sua formação.

Expõe no Salão Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, onde recebe medalha de bronze, em 1922, e medalha de prata, em 1924. Nesse período, também trabalha como decorador, além de realizar ilustrações para o jornal Diário de Notícias. Em 1929, emprega-se no ateliê de ilustração da editora Globo. Além de capas para diversos livros, como Noites na Taverna, do escritor Alvares de Azevedo (1831-1852), faz ilustrações para a Revista do Globo. Passa a ministrar aulas em seu ateliê, em 1936. Sai da Revista do Globo em 1937 e leciona pintura e desenho de modelo-vivo no Instituto Livre de Belas Artes do Rio Grande do Sul.

No ano seguinte, funda com outros artistas a Associação Riograndense de Artes Plásticas Francisco Lisboa. A partir dos anos 1940, produz diversos retratos encomendados pela elite gaúcha e passa a frequentar a cena noturna da cidade e a produzir desenhos de bares, teatros e cabarés. Aos 66 anos, aposenta-se devido a uma forte depressão. Durante sua trajetória, realiza diversas exposições individuais em Porto Alegre. Após sua morte, seus quadros compõem diversas exposições coletivas, como a Bienal Brasil Século XX, de 1994, em São Paulo.

bico de pena sobre papel

1948

46x30cm

Bico de pena sobre papel -  1948

46 x 30 cm

Assinado


 

Navegação